24 / 02 / 2017 Comentários 4

No Carnaval, quem vai atrás do Trio Elétrico? Será que as Doutrinas Espíritas têm razão?

Comecei meu dia divertindo-me com o e-mail da minha amiga pessoal Angela Cantarino, dirigente da Casa Senhora do Carmo, uma instituição para estudos e práticas espíritas no Rio de Janeiro.

Nesse e-mail, a Angela me envia um texto com o título: “Carnaval na Visão Espírita”, publicado no Blog da referida Instituição.

O Carnaval já está nos “batendo à porta” e eu vejo muita movimentação dos nossos Amigos Espirituais, dividindo-se em Equipes para nos assessorar nesta época.

Apenas um a parte aqui: ontem Asthar Sheran me ditou um “recadinho”, que publicamos na página Anima Mundhy do Facebook.

 

Ditou-me Asthar Sheran:

É momento de reforçar as vibrações positivas para a Terra, especialmente para seu Amado Brasil, durante e logo após o carnaval. Já sabe o que deve fazer. Estaremos supervisionando. Diga-lhes (à vocês) que cuidem de fazer escolhas positivas para si mesmos.“.

 

Quem vai atrás do Trio Elétrico?

O que me divertiu no texto, foi o parágrafo que destaco aqui:

A letra da música de Caetano Veloso diz: “atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu”, mas para os espíritas a letra deveria ser modificada para: “atrás do trio elétrico também vai quem já morreu!”.

Foi nesta parte da leitura que comecei a rir sozinha. Me veio à mente a imagem de um Trio Elétrico à frente e diversos seres desencarnados atrás, acompanhando o “cortejo” dos encarnados.

E eu sei que isto é um fato. E você precisa saber que o Mundo Espiritual não se compõe só de Anjos e Protetores. No mundo dos desencarnados, assim como acontece no mundo dos encarnados, todas as vibrações espirituais são possíveis. Há os que emitem ótimas e amorosas vibrações e há os que emitem vibrações densas e completamente fora da Ordem Divina.

 

O Mundo Invisível: já é hora de saber que ele existe!

Para os que estão acostumados a sentir e a ver o lado invisível do mundo, sabe que nunca estamos sós.

Somos e estamos sempre acompanhados por seres invisíveis, sejam eles vibracionalmente elevados ou não, sejam eles “do bem” ou sejam eles “do mal”.

A famosa frase “antes só que mal acompanhado”, não funciona para o mundo espiritual, onde a regrinha básica é: você está sempre bem ou mal acompanhado e a qualidade das suas companhias dependem das qualidades daquilo que você está irradiando.

Em outras palavras, você atrai para si mesmo tudo o que está em sintonia com você, com suas ações, sentimentos e pensamentos. E neste poder de atração que você é, incluem-se os amigos: visíveis ou invisíveis.

Portanto, se você age, sente e pensa de forma positiva e Amorosa, está “bem acompanhado”. Caso contrário, está “mal acompanhado”.

Espiritualmente falando, pensar que se pode “sair ileso” ao soltar, sem nenhuma autocensura ou sem nenhum discernimento, seus “bichos internos” – as suas sombras, nem que seja uma única vez ao ano, é uma ilusão daqueles que só conseguem perceber o mundo visível e material.

 

E os Espíritas têm razão?

Leia mais alguns trechos do texto da Angela, bastante esclarecedores:

“O Espiritismo nos esclarece que estamos o tempo todo em companhia de uma inumerável legião de seres invisíveis, recebendo deles boas e más influências a depender da faixa de sintonia em que nos encontremos. Essa massa de espíritos cresce sobremaneira nos dias de realização de festas como o Carnaval.

Nessas ocasiões, como grande parte das pessoas se dá aos exageros de toda sorte, as influências nefastas se intensificam e muitos dos encarnados se deixam dominar por espíritos maléficos, ocasionando os tristes casos de violência criminosa, como os homicídios e suicídios, drogas lícitas e ilícitas, além dos desvarios sexuais que levam à paternidade e maternidade irresponsáveis, doenças sexualmente transmissíveis, abortos, etc.

Isso acontece tanto com aqueles que se afinizam com os seres perturbadores, adotando comportamento vicioso, quanto com criaturas cujas atitudes as identificam como pessoas respeitáveis, embora sujeitas às tentações que os prazeres mundanos representam, por também acreditarem que seja lícito enlouquecer uma vez por ano.

Mas, do mesmo modo como somos facilmente dominados pelos maus espíritos, quando sintonizamos na mesma frequência de pensamento, também obtemos pelo mesmo processo, a ajuda dos bons, aqueles que agem a nosso favor, em nome de Jesus. Basta, para tanto, estarmos predispostos a suas orientações, atentos ao aviso de “orar e vigiar” que o Cristo nos deu há dois mil anos, através do cultivo de atitudes salutares, como a prece e a praticada caridade desinteressada.”

Clique aqui para ler o texto na íntegra

 

Então, não se pode mais brincar o Carnaval? E agora? O que fazer?

Como brasileira, eu gosto do Carnaval. Mas eu gosto da parte divertida e leve do Carnaval. Sem querer ser saudosista, eu cresci brincando o Carnaval na rua da minha casa, divertindo-me com as fantasias que minha mãe improvisava e com as fantasias que os meus amigos vestiam.

Mais adiante, passei a frequentar alguns inocentes “Bailes de Carnaval”, quando eu e meus amigos dançávamos a noite toda. Sem bebidas alcoólicas, sem drogas e sem violência. Eu adoro dançar!

Gosto também de algumas músicas carnavalescas, mas eu não me sinto mais atraída a participar diretamente, uma vez que literalmente me sinto mal quando me coloco em ambientes onde as vibrações estão muito densas.

E eu sinto as vibrações carnavalescas muito densas. Então, prefiro me ausentar.

Não tenho nada contra brincadeiras saudáveis.

 

O Caminho do Meio pode ser o seu guia

Eu sou pelo meio termo, sou pelo caminho do meio: nem tanto ao Céu nem tanto à Terra.

Se você não se sente mal como eu, não vejo porque deixar de participar das festividades carnavalescas, só porque as vibrações de alguns estão muito densas. Você pode escolher vibrar mais alto, mesmo em meio à densidade.

Para tanto, é preciso ter tenha consciência do mundo invisível e do mundo vibracional. É preciso sentir e escolher – conscientemente – as vibrações que vai irradiar e que vai permitir entrar no seu campo energético, emocional e mental.

Você pode se perguntar: “onde vou amarrar meu burrinho?” e “quais são as companhias – visíveis ou invisíveis – que desejo atrair para mim?”.

Posicionar-se no Espírito sobre a matéria, lembrando que se pode brincar sem perder-se na densidade das suas sombras. Brincar é sinônimo de inocente alegria e bem estar, é leve e divertido.

 

A culpa é dos espíritos malignos? Um recadinho de última hora!

Enquanto escrevo esse texto, Rathal Zeh – um dos meus Mentores Espirituais – se aproxima, trazendo-me uma mensagem complementar:

“Você é responsável por suas próprias energias, ações, sentimentos e pensamentos. Se algo ruim aconteceu e se espíritos malignos te influenciaram, é porque você permitiu.

Não adianta “chorar pelo leite derramado”, isentando-se de suas responsabilidades, culpando espíritos de baixa vibração.

Para o Plano Espiritual, de nada adianta culpar os tais espíritos que julgam malignos, pois este é um argumento que não se justifica de forma alguma.”.

 

Proteção para o Carnaval?

Eu poderia começar a escrever uma lista imensa de dicas e exercícios para sua Proteção durante o Carnaval, mas nenhum dos itens que eu destacaria te serviriam muito, se acaso você não prestasse atenção nas suas vibrações e nas vibrações ao seu redor.

Sendo assim, optei por não escrever a tal lista, uma vez que considero que a sua maior proteção é sua própria maneira de pensar, agir, sentir e brincar o Carnaval.

A sua maior proteção são as suas próprias escolhas e intenções.

Como ditou-me Asthar Sheran: “faça escolhas positivas”.

E seja feliz!

Dicas de Proteção? clique aqui

 

De minha parte, escolhi permanecer em altas vibrações, enviando energias positivas para toda a Humanidade, como sugeriu Asthar Sheran. Se desejar me seguir, fique à vontade.

Estaremos postando Orações, Afirmações, Mantras e outros, com esse objetivo na página Anima Mundhy.

Desejo à você um “Bem Acompanhado” Carnaval!

Tania Resende

 

Nós somos o Anima Mundhy!
Desde 1995, ministrando cursos na área Holística e Nova Espiritualidade.
www.animamundhy.com.br/agenda / www.facebook.com/animamundhy

Você gostou desse texto? Compartilhe com seus amigos.
Use os botões acima do post. Gratidão.

 

Cursos Anima Mundhy?
Consulte agenda

 

Links
Novena de Kuan Yin
Relato de uma experiência fora do corpo: auxílio em acidentes e catástrofes
Afirmação de Luz para gerar movimento

 

Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

 

Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comentários

  1. Ariam

    Bom texto.
    Carnaval é tudo de bom. Trata-se de uma festa que reune pessoas, novas amizades acontecem, muitos namoros vão além do carnaval, atrai bons turistas, faz bem para a economia do país e muitas outras vantagens. O número de pessoas que se diverte positivamente no carnaval e fica até mais feliz para levar o ano é infinitamente maior, muito, muito maior do que as situações negativas que ocorrem na festa. Alías, as situações negativas que ocorrem nessa festa, acontecem durante todo o ano. Se formos somar uma semana apenas desses ‘incidentes’ em uma cidade do tamanho de São Paulo, por exemplo, veremos que é maior do que a soma do que ocorre no carnaval.

  2. Margareth fernandes

    Gostei muito , vou ficar na vibração de luz , e amor a todos os seres .
    Abraços.

  3. Carolina

    Excelente ponderações, texto muito bom.