No dicionário, as palavras “inimigo” e “adversário” são sinônimas.
Mas peço licença para estabelecer uma diferença entre elas.
O inimigo traz preocupação, o adversário traz ocupação!
 
A preocupação com o “inimigo”:
Se você considera que tem um “inimigo”, haverá sempre a preocupação com ele: “O que ele planeja contra mim?”, “O que posso fazer para me proteger?”, “Como posso  atacá-lo?”.
Quando nos preocupamos com “inimigos” nossa energia mental é projetada para fora do momento presente: ou o pensamento está no futuro, procurando uma forma de defesa ou vingança; ou o pensamento está no passado, ao não perdoar e ao cultivar mágoas.
Quando nos preocupamos com “inimigos” nossa energia mental é projetada para o externo, para algo ou alguém que está sempre do lado de fora.
Então, preocupação é energia mental projetada para fora do “Aqui e Agora”!
 
Energia mental e as dificuldades como inimigas:
As dificuldades encaradas como “inimigas” são alimentadas por nossa energia mental, e isto nos desgasta e nos tira do momento presente, impossibilitando a resolução delas.
Lembre-se: é somente no momento presente que podemos atuar, é somente no momento presente que podemos agir e manifestar.
 
E quando consideramos as dificuldades como adversárias?
No dicionário encontramos:  Adversário = adversidade = adversão e/ou adverter e significa “virar para outro lado”, “versão oposta”, “voltado ao contrário”, “verter em sentido contrário”.
As dificuldades como adversárias são trabalhadas como uma oportunidade para “virar  para outro lado”, ou encaradas como uma “versão oposta de nós mesmos”, e assim somos impulsionados a olhar para dentro de nós mesmos.
E esse movimento é autoconhecimento.
Neste caso, o “adversário” nos deixa ocupado em crescer, amadurecer, e conhecer outros lados da realidade, nos propiciando outro jeito de ver e lidar com o mundo.
 
O “Aqui e Agora” como único momento de aprendizado!
Os “inimigos” nos trazem preocupação, os adversários enfrentamentos.
Enfrentar é colocar-se “frente a” e só podemos nos colocar frente a algo ou a alguém no momento presente.
Então, ao considerarmos as dificuldades como “adversárias” ficamos ocupados em entendê-las e enfrenta-las, pois é no “Aqui e Agora” que a ela se apresenta.
E é neste exato momento que podemos olhar para ela e procurar ver outra forma de agir.
Nossa energia mental não é desperdiçada, pois fica focada no “Aqui e Agora” e isso nos alimenta.
 
Como você percebe as dificuldades?
Pergunto novamente: – “Como você percebe as dificuldades: como inimigas ou adversárias?”.
Proponho que você considere as suas dificuldades como “adversárias”, utilizando-as para seu autoconhecimento e assim transforme a sua vida!
Existe um ditado indígena que diz: “tropeçar não é o mesmo que cair, mas sim, avançar mais depressa
As dificuldades percebidas como “inimigas” podem nos derrubar, as dificuldades encaradas como “adversárias” são apenas tropeços.
 
Marcos Simões
 
Você quer compartilhar?
Prefira os botões: curtir, tweet e enviar por e-mail.
Se optar por copiar, não se esqueça de copiar também os créditos e links.
 
Links:
Reiki é religião?
Reiki: o que é uma Iniciação?
Reiki tem explicação científica? Um experimento