20
fb-share-icon20

vou pro Anima Mund
Seu sistema imunológico funciona 24 horas por dia para protegê-lo de bactérias infecciosas, vírus, fungos,  parasitas e micro-organismos que causam doenças, sofrimento e morte.

No geral, seu sistema imunológico faz um trabalho notável em defendê-lo, inclusive auxiliando ao combate do câncer e outras doenças graves. Mas às vezes, ele falha: algo nocivo lhe invade com sucesso e deixa você doente.

É possível intervir nesse processo e impulsionar seu sistema imunológico?

E se você melhorar sua dieta? E se fizer exercícios físicos?

As terapias vibracionais e complementares, como a terapia com Reiki, ajudam a fortalecer o sistema imunológico?

Fazer mudanças no estilo de vida produz uma resposta perfeita no sistema imunológico?

***

Já que em tempos de coronavírus tanto fala em fortalecer o sistema imunológico como uma forma de proteção, busquei respostas em pesquisas científicas sobre o sistema imunológico e esse texto é um breve resumo do que considerei mais importante sobre o tema. (Fonte de Pesquisa: Harvard Health Publishing)

Espero que goste. Deixe a sua contribuição nos comentários.

Namastê,
Marcos Simões

 

Em tempos de coronavírus, como fortalecer o seu sistema imunológico?

A ideia de aumentar sua imunidade é atraente, mas a capacidade de fazê-lo provou ser complexa por vários motivos. O sistema imunológico é precisamente isso: um sistema, não uma entidade única. Para funcionar bem, requer equilíbrio e harmonia no seu todo e ao seu redor.

Ainda há muito por se aprender sobre o sistema imunológico. Os efeitos do estilo de vida, do estresse e de certas condições emocionais no sistema imunológico são tão intrigantes que despertam o interesse de pesquisadores de diversas áreas de estudo.

Cientistas estão explorando os efeitos da dieta, do exercício,  da idade, do estresse psicológico e outros fatores na resposta imune, tanto em animais quanto em humanos.

Enquanto isso, estratégias gerais de vida saudável são uma boa maneira de começar a dar vantagem ao seu sistema imunológico.

Maneiras saudáveis ​​de fortalecer seu sistema imunológico. Mente e Corpo interligados.

Sua primeira linha de defesa é escolher um estilo de vida saudável . Seguir as diretrizes gerais de boa saúde é o melhor passo que você pode tomar para manter naturalmente seu sistema imunológico forte e saudável.

Todas as partes do corpo, incluindo o sistema imunológico, funcionam melhor quando protegidas contra ataques ambientais e apoiadas por estratégias de vida saudável, como estas:

  • Não fumar.

  • Fazer uma dieta rica em frutas e legumes.

  • Exercitar-se regularmente.

  • Manter um peso saudável.

  • Usar bebidas alcoólicas com moderação.

  • Dormir adequadamente.

  • Tome medidas para evitar infecções , como lavar as mãos com frequência e cozinhar bem as carnes.

  • Minimizar o estresse.

A medicina moderna passou a apreciar a relação intimamente ligada da mente e do corpo. Uma grande variedade de doenças, incluindo dores de estômago, urticária e até doenças cardíacas, estão ligadas aos efeitos do estresse emocional. Apesar dos desafios, os cientistas estão estudando ativamente a relação entre estresse e função imunológica.

 

Estresse, solidão e depressão enfraquecem o sistema imunológico

Estressado? Solitário ou deprimido?

Psicólogos no campo da “psiconeuroimunologia” mostraram que o estado de espírito afeta o estado de saúde de uma pessoa.

No início dos anos 80, a psicóloga Janice Kiecolt-Glaser, PhD, e o imunologista Ronald Glaser, PhD, da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual de Ohio, ficaram intrigados com estudos em animais que relacionavam estresse e infecção.

De 1982 a 1992, esses pesquisadores pioneiros estudaram estudantes de medicina. Entre outras coisas, eles descobriram que a imunidade dos estudantes diminuía todos os anos sob o simples estresse do período de três dias de exames.

Os participantes do teste tinham menos células que naturalmente combatem tumores e infecções virais. Eles quase pararam de produzir interferon gama que aumenta a imunidade e as células T que combatem infecções respondem apenas fracamente à estimulação do tubo de ensaio.

Essas descobertas abriram as comportas da pesquisa.

Em 2004, Suzanne Segerstrom, PhD, da Universidade de Kentucky, e Gregory Miller, PhD, da Universidade da Colúmbia Britânica, tinham quase 300 estudos sobre estresse e saúde para revisar. Sua análise discerniu padrões intrigantes. Estudos de laboratório mostraram que o estresse de duração significativa – de alguns dias a alguns meses ou anos, como acontece na vida real – gerou baixa na imunidade. Assim, o estresse a longo prazo ou crônico, através de muito desgaste, pode devastar o sistema imunológico.

A análise também revelou que as pessoas mais velhas ou doentes estão mais propensas a alterações imunológicas relacionadas ao estresse.

Por exemplo, um estudo de 2002 realizado por Lyanne McGuire, PhD, da John Hopkins School of Medicine com Kiecolt-Glaser e Glaser relatou que mesmo a depressão leve subclínica crônica pode suprimir o sistema imunológico de uma pessoa idosa.

Os participantes do estudo estavam no início dos anos 70 e cuidavam de alguém com doença de Alzheimer. Aqueles com depressão leve crônica tiveram respostas mais fracas de células T de linfócitos a dois mitógenos, que modelam como o corpo responde a vírus e bactérias. A resposta imune caiu mesmo 18 meses depois, e a imunidade diminuiu com a idade.

Os psicólogos da saúde Sarah Pressman, PhD, Sheldon Cohen, PhD e colegas pesquisadores do Laboratório de Estudos da Stress, Imunidade e Doença da Universidade Carnegie Mellon, descobriram que o isolamento social e os sentimentos de solidão enfraquecem a imunidade dos alunos do primeiro ano.

No estudo, os estudantes foram vacinados contra a gripe no centro de saúde da universidade, descreveram suas redes sociais e acompanharam seus sentimentos diários usando um computador de mão (uma nova técnica chamada “consciência ecológica momentânea”)

Eles também forneceram amostras de saliva para medir os níveis do hormônio do estresse cortisol. Redes pequenas e solidão enfraqueceram independentemente a imunidade a um componente central da vacina.

A resposta imune foi mais enfraquecida pela combinação de solidão e pequenas redes sociais, um óbvio estresse para a saúde que os jovens estudantes tímidos ainda não construíram seus círculos de amizade.

Cultivar bons relacionamentos beneficia o sistema imunológico.

Evidências emergentes estão traçando os caminhos da interação mente-corpo. Por exemplo, como observado com os estudantes universitários, sentimentos crônicos de solidão podem ajudar a prever o estado de saúde – talvez porque as pessoas solitárias tenham mais estresse psicológico ou o experimentem com mais intensidade e esse estresse, por sua vez, diminua a imunidade. Também não é surpresa que a depressão prejudique a imunidade; também está ligado a outros problemas físicos, como doenças cardíacas. Ao mesmo tempo, a depressão pode refletir uma falta de apoio social e / ou fazer com que alguém se retire dos laços sociais. Ambos podem ser estressantes e prejudicar a capacidade do organismo de combater infecções.

Todas essas descobertas ampliam o que sabemos sobre como o gerenciamento do estresse e os relacionamentos interpessoais podem beneficiar a saúde cotidiana, fazendo de tudo, desde ajudar a combater o resfriado comum até acelerar a cura após a cirurgia. A pesquisa está em sincronia com relatos anedóticos de como as pessoas ficam doentes em tempos estressantes, mas entender exatamente como a psicologia afeta a biologia ajuda os cientistas a recomendar as melhores maneiras de criar imunidade.

O gerenciamento do estresse, especialmente o estresse crônico ou de longo prazo (mesmo que não seja intenso), pode ajudar as pessoas a combater doenças. Quando sobrecarregada com estressores de longo prazo, como cuidar de pais idosos ou cônjuges com demência, a saúde pode se beneficiar do gerenciamento consciente do estresse.

Finalmente, as mais recentes descobertas sobre o estresse social enfatizam o valor de bons amigos; até poucos amigos íntimos podem ajudar alguém a se sentir conectado e permanecer forte. Os laços sociais podem fortalecer indiretamente a imunidade, porque amigos – pelo menos amigos preocupados com a saúde – podem incentivar bons comportamentos de saúde, como comer, dormir e se exercitar bem. Bons amigos também ajudam a amortecer o estresse de eventos negativos.

Reiki ameniza o estresse e estimula a resposta imunológica, auxiliando no combate a vírus, bactérias e todo tipo de doença.

O Reiki – Técnica de Cura através da imposição de mãos redescoberta no final do século XIX por Mikao Usui – pode ser uma ferramenta auxiliar no tratamento de doenças?

Muitos garantem, sem pestanejar, que pode. Mas a confirmação científica dessa possibilidade começa a se consolidar agora, a partir de pesquisas como a do biólogo Ricardo Monezi, da Universidade Federal de São Paulo, que indica interferência favorável da técnica no tratamento de animais de laboratório com câncer.

Segundo Monezi, o Reiki age positivamente na redução do nível de estresse, uma das possíveis causas do surgimento, agravamento e até comprometimento do tratamento de doenças crônicas como o diabetes.

Durante cinco anos, Monezi conduziu uma pesquisa com camundongos para saber se o Reiki interferiria positivamente no tratamento contra o câncer. Ele montou três grupos de camundongos. O primeiro não recebeu tratamento; o segundo recebeu tratamento falso – a imposição de mãos foi feita com a colocação de luvas presas a duas hastes de madeira; e o terceiro foi tratado com Reiki.

Monezi analisou o comportamento dos linfócitos – que são os responsáveis pela defesa imunológica do organismo – frente a um tumor e concluiu que os ratos submetidos ao Reiki mostraram aumento da capacidade de enfrentar a doença. O mesmo padrão foi observado com tumores mais agressivos. Os animais foram submetidos ao Reiki durante quatro dias, em sessões de 15 minutos.

Segundo o biólogo, esses resultados afastam a hipótese de que o sucesso do tratamento seja resultado de sugestão psicológica. A próxima etapa de sua pesquisa será observar o uso do Reiki em seres humanos. A intenção é verificar se o Reiki pode colaborar para reduzir o estresse e melhorar a imunidade de pacientes idosos, que muitas vezes sofrem baixa em sua resistência.

A palavra Reiki significa Energia Vital Universal. Seus criadores basearam-se na crença de que a energia liberada por um praticante de Reiki envolve o paciente, atuando sobre seu corpo físico.

Do ponto de vista físico, explica o pesquisador, o ser humano é constituído por energia – o que pode ser observado, por exemplo, no eletrocardiograma, que mede a função elétrica do coração. Desde a década de 80, diversas correntes de pesquisa têm buscado embasamento científico para a teoria que fundamenta o Reiki e outras técnicas de imposição de mãos.

Todas têm constatado, como efeitos, sensação de bem-estar, diminuição de sintomas relacionados ao estresse e sensação de relaxamento.

Há trabalhos que indicam a técnica no tratamento de ansiedade, depressão e fobias como a síndrome do pânico. Monezi fala em indicação terapêutica complementar. Isto é, uma terapia de apoio ao tratamento convencional. (Revista Época, edição 459)

>> Outras pesquisas sobre >> Reiki 
Agende sua sessão: (11) 3567-7223
Ou contato@animamundhy.com.br

Sistema imunológico e idade

À medida que envelhecemos, nossa capacidade de resposta imune diminui, o que, por sua vez, contribui para mais infecções e mais câncer. À medida que a expectativa de vida nos países desenvolvidos aumentou, também aumentou a incidência de condições relacionadas à idade.

Enquanto algumas pessoas envelhecem de maneira saudável, a conclusão de muitos estudos é que, em comparação com as pessoas mais jovens, os idosos têm maior probabilidade de contrair doenças infecciosas e, ainda mais importante, mais chances de morrer por causa delas. 

Infecções respiratórias, gripe e particularmente pneumonia são uma das principais causas de morte em pessoas com mais de 65 anos em todo o mundo.

Ninguém sabe ao certo por que isso acontece, mas alguns cientistas observam que esse risco aumentado se correlaciona com uma diminuição nas células T, possivelmente pelo timo atrofiando com a idade e produzindo menos células T para combater a infecção. Se essa diminuição na função do timo explica a queda nas células T ou se outras alterações desempenham um papel, ainda não está totalmente esclarecido. Outros estão interessados ​​em saber se a medula óssea se torna menos eficiente na produção das células-tronco que dão origem às células do sistema imunológico.

Uma redução na resposta imune a infecções foi demonstrada pela resposta das pessoas mais velhas às vacinas. Por exemplo, estudos de vacinas contra influenza mostraram que, para pessoas acima de 65 anos, a vacina é muito menos eficaz em comparação com crianças saudáveis ​​(acima de 2 anos). Mas, apesar da redução da eficácia, as vacinas contra influenza e S. pneumoniae reduziram significativamente as taxas de doença e morte em idosos quando comparados com a ausência de vacinação.

Parece haver uma conexão entre nutrição e imunidade em idosos.

Uma forma de desnutrição surpreendentemente comum mesmo em países ricos é conhecida como “desnutrição por micronutrientes”. A desnutrição por micronutrientes, na qual uma pessoa é deficiente em algumas vitaminas essenciais e minerais, obtidos ou suplementados pela dieta, pode ser comum em idosos. Os idosos tendem a comer menos e geralmente têm menos variedade em suas dietas.

Uma questão importante é se os suplementos alimentares podem ajudar as pessoas mais velhas a manter um sistema imunológico mais saudável. As pessoas idosas devem discutir esta questão com um médico versado em nutrição geriátrica, porque, embora alguma suplementação dietética possa ser benéfica para as pessoas idosas, mesmo pequenas mudanças podem ter sérias repercussões nessa faixa etária.

Dieta e seu sistema imunológico

Como qualquer força de combate, o exército do sistema imunológico marcha sobre seu estômago. Guerreiros saudáveis ​​do sistema imunológico precisam de nutrição regular e boa. Os cientistas há muito reconhecem que as pessoas que vivem na pobreza e estão desnutridas são mais vulneráveis ​​a doenças infecciosas. Se o aumento da taxa de doenças é causado pelo efeito da desnutrição no sistema imunológico, no entanto, não é certo. Ainda existem relativamente poucos estudos sobre os efeitos da nutrição no sistema imunológico humano, e ainda menos estudos que vinculam os efeitos da nutrição diretamente ao desenvolvimento (versus tratamento) de doenças.

Exercícios: bom ou ruim para a imunidade?

O exercício regular é um dos pilares da vida saudável. Melhora a saúde cardiovascular, diminui a pressão sanguínea, ajuda a controlar o peso corporal e protege contra uma variedade de doenças. Mas isso ajuda a impulsionar seu sistema imunológico naturalmente e a mantê-lo saudável? Assim como uma dieta saudável, o exercício pode contribuir para a boa saúde geral e, portanto, para um sistema imunológico saudável. Pode contribuir ainda mais diretamente, promovendo uma boa circulação, o que permite que as células e substâncias do sistema imunológico se movam livremente pelo corpo e façam seu trabalho com eficiência.

Alguns cientistas estão tentando dar o próximo passo para determinar se o exercício afeta diretamente a suscetibilidade de uma pessoa à infecção. Por exemplo, alguns pesquisadores estão analisando se quantidades extremas de exercícios intensivos podem fazer com que os atletas adoeçam com mais frequência ou de alguma forma prejudiquem sua função imunológica. Para fazer esse tipo de pesquisa, os cientistas do exercício normalmente pedem aos atletas que se exercitem intensamente; os cientistas testam seu sangue e urina antes e após o exercício para detectar qualquer alteração nos componentes do sistema imunológico. Embora algumas mudanças tenham sido registradas, os imunologistas ainda não sabem o que essas mudanças significam em termos de resposta imune humana.

Mas esses sujeitos são atletas de elite submetidos a intenso esforço físico. E o exercício moderado para pessoas comuns? Ajuda a manter o sistema imunológico saudável? Por enquanto, mesmo que não tenha sido estabelecido um vínculo benéfico direto, é razoável considerar o exercício regular moderado como uma flecha benéfica para a vida saudável, um meio potencialmente importante para manter seu sistema imunológico saudável junto com o resto da vida. corpo.

Uma abordagem que pode ajudar os pesquisadores a obter respostas mais completas sobre se fatores do estilo de vida, como o exercício, ajudam a melhorar a imunidade, tira proveito do sequenciamento do genoma humano. Essa oportunidade de pesquisa baseada em tecnologia biomédica atualizada pode ser empregada para dar uma resposta mais completa a essa e a outras perguntas semelhantes sobre o sistema imunológico. Por exemplo, microarranjos ou “chips genéticos” baseados no genoma humano permitem que os cientistas analisem simultaneamente como milhares de sequências de genes são ativadas ou desativadas em resposta a condições fisiológicas específicas – por exemplo, células sanguíneas de atletas antes e depois do exercício. Os pesquisadores esperam usar essas ferramentas para analisar padrões, a fim de entender melhor como os vários caminhos envolvidos agem ao mesmo tempo. (Fonte: Harvard Health Publishing)

>> Para eliminar o estresse, escolha >> Terapias Anima Mundhy

Cursos Anima Mundhy

Magnified Healing
Reiki
Iniciações a Luz

Consulte Agenda

Você gostou? Compartilhe com seus amigos apenas mensagens positivas.

Use os botões acima do post