20
fb-share-icon20

 

Você já percebeu quanto tempo no seu dia você usa para se julgar e se autocriticar?

Você se preocupa com o que o outro pensa sobre você e constantemente sente que todos estão lhe julgando e lhe criticando?

Por que será que você é tão cruel com você mesmo?

Com certeza esse tipo de atitude de você para com você mesmo não lhe faz bem.

Você sabia que esse tipo de autocrítica não apenas afeta negativamente sua auto-estima, como também afeta negativamente sua capacidade de se envolver com seus hábitos saudáveis ​​e, finalmente, atingir seus objetivos?

É momento de transformar a maneira como você se relaciona com você mesmo e começar a sentir auto-compaixão.

Já ouviu falar em auto-compaixão?

 

O que é compaixão, afinal?

No dicionário, compaixão é um sentimento típico dos seres humanos e que se caracteriza pela piedade e empatia em relação à tristeza alheia. A compaixão desperta a vontade de ajudar o próximo a superar os seus problemas, consolando e dando suporte emocional.

Muito legal, né?

Uma pessoa que tem compaixão ao próximo é aquela que consegue compreender o estado emocional alheio e compreender a sua condição, desejando que om outro consiga superar ou aliviar o seu sofrimento. Por exemplo, se alguém sente tristeza por presenciar a miséria ou infelicidade de outro indivíduo, esta empatia pode ser entendida como compaixão.

A compaixão se foca no desejo da pessoa de aliviar o sofrimento da outra pessoa. Neste casos, por exemplo, são comuns os atos altruístas.

 

Kuan Yin nos inspira na Compaixão!

No que se refere á compaixão, eu imediatamente penso em Kuan Yin, “aquela que ouve os lamentos do mundo”!

Kuan Yin configura o arquétipo da misericórdia, da amorosidade e da compaixão.

Como Bodhisattwa da Compaixão, Ela já poderia ascender para planos mais elevados, mas decidiu continuar nas orbes terrestres a serviço da humanidade até que nos libertemos de todo sofrimento. E isso é compaixão!

Essencialmente, Kuan Yin abarca a mãe onipresente, plena de pureza espiritual, que intercede em todas as direções simultaneamente. É capaz de sentir as aflições de todos os seres e responder misericordiosamente as orações, assim como amparar aqueles que transgridem leis universais e não suportam o retorno cármico.

>> Quer saber mais sobre Kuan Yin e compaixão? Leituras sugeridas:
Kuan Yin: curiosidades sobre a bodhisattwa da compaixão
Magnified Healing®: Cura no Amor e na Luz de Kuan Yin!

Porém, é muito mais fácil sentirmos compaixão pelo outro que por nós mesmos, concorda?

Se tivermos compaixão por outra pessoa, teremos consciência do sofrimento dela e tenderemos a expressar sentimentos de bondade em relação a ela. No entanto, tendemos a não nos tratar com o mesmo nível de bondade.

O auto-julgamento severo nos faz sentir isolados e sozinhos. Faz com que sintamos que somos os únicos sofrendo, sendo julgados e criticados.

Quando se trata de nossos hábitos, tendemos a cair sobre nós com mais severidade quando nos afastamos de nossos objetivos, cedemos à tentação e cometemos um erro. Então nos sentimos um fracasso. Que nunca iremos acertar, que nunca alcançaremos nossos objetivos.

Além disso, não apenas nos repreendemos, mas também acreditamos que os outros pensam as mesmas coisas sobre nós também.

>> Também podem lhe auxiliar a desenvolver autocompaixão:
Magnified Healing e Reiki
Consulte Agenda

 

O que é auto-compaixão? Por que isto é importante?

Segundo o Dr. Kirsten Neff, um dos principais pesquisadores de compaixão, nos diz que sentir compaixão por si mesmo não é realmente diferente de ter compaixão pelos outros.

Pense em como é a experiência de compaixão.

Primeiro, para ter compaixão pelos outros, você deve notar que eles estão sofrendo. Se você ignora o morador de rua na rua, não sente compaixão pela dificuldade da experiência dele.

Segundo, compaixão envolve sentir-se movido pelo sofrimento dos outros, de modo que seu coração responda à dor deles (a palavra compaixão significa literalmente “sofrer com”). Quando isso ocorre, você sente calor, carinho e desejo de ajudar a pessoa que sofre de alguma forma.

Ter compaixão também significa que você oferece compreensão e bondade aos outros quando eles falham ou cometem erros, em vez de julgá-los severamente.

Finalmente, quando você sente compaixão por outro (em vez de mera pena), significa que você percebe que sofrimento, fracasso e imperfeição fazem parte da experiência humana compartilhada. “Lá, exceto pela fortuna, eu vou.”

A autocompaixão envolve agir da mesma maneira em relação a si mesmo quando você está passando por um momento difícil, falha ou percebe algo que não gosta em si mesmo. Em vez de simplesmente ignorar sua dor com rigidez e autocritica, você pode dizer a si mesmo: “isso é realmente difícil, mas posso me cuidar bem, nesse momento.“. E pode perguntar-se: “como posso me confortar, me acolher e me cuidar nesse momento?”.

 

Troque autocríticas por gentilezas e valorize quem você É. Permita-se ser mais saudável e feliz!

sonhos-desejos-mensagem-melquisedeque.jpgEm vez de se julgar e se criticar impiedosamente por várias inadequações ou deficiências, a autocompaixão significa que você é gentil e compreensivo quando confrontado com falhas pessoais – afinal, quem disse que você deveria ser perfeito?

Você pode tentar mudar de maneiras que lhe permitam ser mais saudável e feliz, mas isso é feito porque você se importa, não porque você é inútil ou inaceitável. Talvez o mais importante: ter compaixão de si mesmo significa que você honra e aceita sua humanidade.

As coisas nem sempre vão do jeito que você quer. Você encontrará frustrações, perdas ocorrerão, você cometerá erros, esbarrará em suas limitações, ficará aquém dos seus ideais. Esta é a condição humana, uma realidade compartilhada por todos nós. Quanto mais você abrir seu coração para essa realidade, em vez de lutar constantemente contra ela, mais será capaz de sentir compaixão por si e por todos os seus semelhantes na experiência da vida.

A pesquisa do Dr. Kirsten Neff demonstra que superestimamos persistentemente os pensamentos negativos e que sempre imaginamos que as pessoas estão nos julgando negativamente.

A pior parte disso é que muitas vezes nos faz julgar a nós mesmos com muito mais rigor do que deveríamos. Uma consequência deste ser, que acabamos sendo mais retraídos e menos alegres em nossas vidas.

O Dr. Kirsten Neff diz: “Os erros devem ser vistos como uma parte compartilhada da humanidade. Que somos todos imperfeitos e esperar perfeição em nós mesmos ou nos outros é injusto. Ao entender que isso faz parte da experiência humana compartilhada, amenizamos nosso sofrimento. Não se trata de evitar o sofrimento, mas de reagir a ele de uma maneira que o ajude a crescer, a construir um momento positivo. Ajuda a desenvolver a resiliência emocional para lidar com a dor e o sofrimento de maneira construtiva, acalmando as emoções negativas e, assim, ajudando-as a se dissipar.”

 

Pesquisa mostra como você cria sua própria realidade e suas experiências a partir do seu auto-julgamento.

Em um estudo significativo, os psicólogos usaram maquiagem teatral para criar uma cicatriz feia no rosto dos participantes antes de interagirem cara a cara com um estranho. O estranho havia sido treinado pelos pesquisadores para agir de maneira neutra e sem julgamento para os participantes.

Depois de terem conversado com o estranho, embora cientes de que tinham a cicatriz no rosto, os participantes foram questionados sobre como o estranho se relacionava com eles. Os participantes relataram que o estranho estava olhando para eles ou evitando fazer contato visual com eles. Eles disseram que os fizeram sentir-se constrangidos e sentiram pena de como o estranho os tratava.

De volta ao laboratório, os participantes foram informados de que os maquiadores haviam removido a cicatriz antes de terem uma conversa com o estranho. Portanto, não havia cicatriz no rosto durante a conversa!!

Por fim, os participantes criaram sua própria realidade, suas experiências refletiram o que acreditavam sobre sua aparência e não os fatos objetivos sobre a situação.

Isso demonstra uma verdade poderosa. Somos os ditadores mais influentes de nossas emoções negativas na imagem corporal. São nossas próprias maneiras de julgar e pensar sobre nossa aparência que impulsionam nossas inseguranças e determinam as nossas experiências.

 

Como você se liberta e aprende a parar de se julgar?

reiki-criancas.pngEsperar perfeição em si mesmo é irreal . Afinal, o próprio conceito de perfeição é relativo, pois o que parece ser perfeito para você pode ser imperfeito para o outro. Sendo assim, esse não deve ser o critério que lhe definirá.

Além disso, é preciso abandonar a ideia de que não se pode ser “imperfeito”. É importante compreender-se e saber que cometer erros ao longo do caminho é natural. É preciso entender que erros são oportunidades para aprender, amadurecer e crescer.

Quando eventos negativos ou erros acontecem, é importante criar o hábito de estabelecer um diálogo positivo consigo mesmo, conversar consigo mesmo de maneira positiva, amigável e compassiva, sem pensamentos negativos ou julgadores sobre si mesmo, procurando auto-acolher-se incondicionalmente.

Por fim, fomentar pensamentos positivos pode ajudá-lo a ganhar impulso positivo e seguir na direção certa – em direção a seus objetivos.

Desenvolver um hábito de auto-bondade é como desenvolver qualquer outro hábito saudável, requer persistência e consistência no início. No entanto, através da repetição, com o tempo, pode se tornar automático.

 

Auto-compaixão aumenta a motivação para o auto-aperfeiçoamento e bem-estar.

Pesquisas  mostram que a autocompaixão realmente apoia e aprimora sua motivação para continuar com seus objetivos.

Em quatro experimentos, verificou-se que aqueles que cultivam o hábito de auto-compaixão adotam metas focadas em crescimento, valorizando mais o processo, o caminho a ser percorrido e o lugar onde se quer chegar e dão menos atenção ao seu desempenho.

Verificou-se também que pessoas auto-compassivas são menos propensas a procrastinar, sentem menos medo de errar e possuem mais impulso e determinação para recomeçar ou corrigir as falhas, se for preciso.

E por fim, as pesquisas demonstraram que pessoas auto-compassivas se envolvem mais com o auto-cuidado, focando mais facilmente em planos de alimentação saudável, demonstram mais constância nos exercício físicos e buscam com maior frequência terapias e tratamentos para o próprio aperfeiçoamento e bem-estar.

 

Autocompaixão proporciona bem-estar, traz segurança, aumenta a felicidade e fortalece os hábitos saudáveis.

No geral, o autocompaixão tem sido associado à melhoria do bem-estar, ao aumento da felicidade e a uma iniciativa maior para fazer mudanças em sua vida.

É por isso que ser gentil consigo mesmo pode ser um dos hábitos saudáveis ​​mais importantes a serem cultivados.

Portanto, é hora de parar de se julgar e sentir que todo mundo está te julgando também.

O desenvolvimento de verdades e pensamentos positivos sobre si mesmo ajuda a desenvolver uma mentalidade diferente que rompe esse ciclo, você aprende a mudar suas experiências e essas experiências geram impulso positivo para ajudá-lo a alcançar o que é mais importante para você na vida.

Vá em frente e seja gentil consigo mesmo!

Tania Resende

Fontes de pesquisa:
Sage Journals e Business Insider

>> Precisando de ajuda para seu bem-estar?
Conheça as Terapias no Anima Mundhy
Agende: (11) 3567-7223

>> Nossa Escolha e Missão é auxiliar você a enfrentar os desafios da vida.
Consulte Agenda, pois nossos cursos também trazem bem-estar.

 

Você gostou? Compartilhe com seus amigos apenas ideias e notícias positivas!

Use os botões acima do post