Estava revendo algumas anotações do curso de naturopatia, que fiz em 1999, e reencontrei o texto sobre “os sete estágios da cura”.

E, ao longo dos últimos anos em minha experiência como terapeuta, pude comprovar a veracidade dos estágios.

Tive a oportunidade de acompanhar e auxiliar, através das técnicas terapêuticas que pratico, diversas pessoas que vivenciaram cada um desses estágios, até que a cura integral pudesse se manifestar através da criação de uma nova vida, de uma nova realidade.

 

Negação: o primeiro estágio da Cura

Quando percebemos que algo em nós está fora do padrão de normalidade e surge a desconfiança de que estamos doentes, a tendência é negarmos o desequilíbrio, por exemplo, acreditando que tal desequilíbrio é passageiro.
Pensamos: “Logo passa, isso não é nada.”

 

Revolta: o segundo estágio da Cura

Ao percebermos que o desequilíbrio não é passageiro, assumimos a consciência dele e nos revoltamos, pois ficamos indignados em constatar que um desequilíbrio se instalou em nossa “perfeição”. Pensamos: “Por quê logo comigo?” ou “Não é justo, eu não mereço isso.”

 

Negociação: o terceiro estágio da Cura

Ao percebermos que revoltar-se não resolve o problema, entramos na fase da negociação.

Negociar significa “barganhar”, consigo mesmo e com outros seres, ganhos e recompensas que possam chegar com tal desequilíbrio.
Afinal, merecemos uma recompensa por estarmos tão mal, não é verdade?

Pensamos: “Olha, prometo que se eu melhorar, vou mudar de vida.”

 

Depressão: o quarto estágio da Cura

Ao percebermos que as recompensas não chegam e nos depararmos com o fato de que continuamos doentes, entramos em uma fase de depressão.

Os pensamentos passam por: “A vida é muito injusta mesmo”, “Como pude adoecer e me desequilibrar dessa maneira?”, “Logo eu, que tenho tantos planos perfeitos para realizar?”, “E agora?”.

 

A Cura não acontece? Armadilhas da terceira dimensão!

Armadilhas

Esses primeiros quatro estágios, acima descritos, são o que eu denomino de “armadilhas da terceira dimensão”.

Se não tomarmos cuidado e se não prestarmos atenção, podemos ficar presos nessa “armadilha”, repetindo incessantemente cada um dos estágios anteriores: negando, revoltando-se, negociando e sentindo-se deprimido.

Enquanto essa repetição acontece, a Cura não se manifesta!

É preciso transcender para seguir adiante no processo de Cura.

É estritamente necessário o próximo estágio: a aceitação.

 

Aceitação: o quinto estágio da Cura

Aceitar é reconhecer que somos humanos, por vezes nos desequilibramos e adoecemos.

É imprescindível tomarmos consciência daquilo que está acontecendo, compreendendo que os desequilíbrios são oportunidades de crescimento pessoal, de autoconhecimento e de transformação.

Pensamos: “Ok, aceito que essa realidade existe em minha vida, não guardo nenhuma revolta dentro de mim, porém não compactuo com ela e vou cuidar para transmutar.”

 

A importância da aceitação

Quando aceitamos o desequilíbrio, damos sentido e valor aos quatro primeiros estágios, pois a negação, a revolta, a negociação e a depressão, nos permitem entrar em contato com o desequilíbrio e detalhá-lo, esmiúça-lo e compreendê-lo em todos os âmbitos, em todos os níveis energéticos.

Podemos, através desses estágios, entender exatamente qual é a qualidade da Luz que essa sombra (desequilíbrio) está trazendo e nos mostrando.

Aceitar não é se conformar, mas é tomar consciência, para transformar.

Leia: Integrar as sombras à Luz: um desafio consciente!

 

Renascimento: o sexto estágio da Cura

Renascimento

Após aceitarmos e compreendermos o nosso processo, entramos na fase do renascimento: uma nova etapa se inicia e, como acontece com tudo o que é novo, ainda surgem alguns tropeços.

Mas a segurança interna, adquirida nos estágios anteriores, vivenciadas e superadas, nos faz seguir em frente, alimentando uma nova consciência, com novos padrões de comportamento. E assim uma nova etapa em nossa vida se inicia, estamos prontos para o próximo estágio.

Pensamos: “Minha cura está realizada e manterei minha atenção em manter e criar novos hábitos; diferentes dos padrões anteriores.”

 

Criação de uma nova vida: o sétimo estágio da Cura

O último estágio significa uma nova etapa.

Representa a criação de uma nova vida, uma vez que o desequilíbrio foi sanado e os padrões referentes a ele foram compreendidos, assimilados e integrados, um novo padrão de comportamento surge, com novas ações e posturas perante os desafios da vida. As mudanças são vivenciadas no dia-a-dia.

Pensamos: “Que bela e forte é a vida.”, “É ótimo conseguir me dedicar aos meus sonhos.”

 

A Cura e a Ascensão

Nova vida

Ao atingirmos o sétimo e último estágio, a Cura está visível!

Um padrão de desequilíbrio foi transmutado e a nova vida, pautada em padrões mais saudáveis, está manifestada.

O desequilíbrio, que bloqueava a manifestação de uma nova consciência, foi eliminado.

A consciência agora está livre e ampliada.

A Cura de qualquer desequilíbrio, seja ele pequeno ou grande, passa necessariamente pela consciência das sombras e pelo trabalho de integrá-las à Luz.

Realizar essa integração é um bom caminho para a ascensão do Ser Humano.

Marcos Simões

 

 

Você quer compartilhar?
Prefira os botões: curtir, tweet e enviar por e-mail.
Se optar por copiar, não se esqueça de copiar também os créditos e links.

Buscando transformar os seus sentimentos?
Conheça as Terapias Anima Mundhy
Consulte agenda.

Links:
Reiki é religião?
Reiki: o que é uma Iniciação?
Reiki tem explicação científica? Um experimento