O ato de amar de forma pura e verdadeira cria harmonia, equilíbrio e crescimento.
Porém, nem sempre o amor que presenciamos entre as pessoas é o amor positivo.
Infelizmente há também uma forma de amor que é negativa, que está doente e gera qualidades opostas ao amor de verdade: desarmonia, desequilíbrio e paralisia do crescimento pessoal.
Quando falamos de amor, nos referimos à sua característica de forma mais ampla. É possível vivenciar o amor dentro de um relacionamento com outra pessoa – namorado(a), amigo(a), filho(a) – e também dentro das situações do seu dia a dia, como no trabalho, no trânsito, entre outros.
 
Conheça os sintomas que indicam o início de um amor doente
Quando o amor começa a adoecer, os primeiros sintomas são bastante claros: o indivíduo passa a achar e sentir que tem mais (ou menos), ou que é melhor (ou pior) do que o outro.
Se este sentimento não for curado, o próximo passo é a tentativa de controle do outro, por meio de palavras e ações muitas vezes inconscientes.
Ou então, querer ser igual ao outro, viver a vida dele.
Quando esta situação se instala, a pessoa começa a não gostar mais dela mesma e consequentemente as atitudes do outro passam a incomodar.
E o amor continua adoecendo, pois quando o outro se transforma em um incômodo, a pessoa começa a julga-lo e condena-lo como culpado de tudo; ele se torna um inimigo vital. É neste momento que se dá a fase do ódio, que é o amor em estágio terminal.
Caso a pessoa não encontre a cura do amor doente neste estágio, o amor morre e no lugar da energia amorosa surge a energia do medo. Pois o medo é oposto ao amor – enquanto o amor é troca e crescimento, o medo é paralisação e estagnação.
A boa notícia é que o amor pode ser curado, pode florescer novamente dentro de nosso ser em qualquer uma das fases (até mesmo naquelas terminais).
 
É preciso curar o desequilíbrio para voltar a amar verdadeiramente
Ter autoconhecimento para identificar as etapas de desequilíbrio é essencial para frear seus efeitos nocivos e transformar o amor doente em amor puro.
Em primeiro lugar, procure perceber em qual setor de sua vida o amor está saudável e quais são as áreas em que ele está adoecendo. Olhe para a sua realidade, analise, pense sobre si mesmo.
Mude as atitudes que estão em desacordo com aquilo que você deseja e lembre-se que quando alguém (ou algo) lhe irrita é porque precisa haver uma reflexão.
Reveja a situação e tente fazer diferente para que as desarmonias se convertam em amor verdadeiro.
Eu faço um convite a você:
Que tal pensar sobre sua realidade?
Não deixe a energia do amor morrer, mas expanda-a e mostre ao mundo que você é puro amor – vivencie o amor de verdade.
 
Marcos Simões
 
Para compartilhar:
Use os botões “curtir” e “enviar por e-mail”, acima do post.
Compartilhe também os créditos e links.
 
Links
Reiki tem explicação científica?
Você tem culpa de que?
Você sabia que ao perdoar nos libertamos das dores do passado?