20
fb-share-icon20

 

Muitas pessoas acreditam que Pranayama significa exercício respiratório, porém essa não é a tradução literal dessa palavra.

Prana traduz-se como energia vital; é a energia que traz a qualidade e a força da vida à todo o corpo humano,  aos órgãos, aos músculos aos ossos, à todas as células do nosso corpo físico, assim como organiza, equilibra e nutre também toda a nossa anatomia energética, os chacras, os meridianos e a nossa aura. Quanto mais Prana no corpo, mais saudável somos e mais longeva é a nossa vida.

Yama traduz-se como controle; controle significa capacidade de administrar, gerenciar, manejar, direcionar e manter o poder.

Então, Pranayama significa controle do Prana. Podemos entender que a prática de Pranayamas nos traz a capacidade de gerenciar, manejar, direcionar e manter o poder da energia vital em nós, tanto em nosso corpo físico, quanto em nosso corpo energético.

 

O Prana e a respiração

Agora é necessário saber que essa energia vital denominada Prana, está em tudo, está no homem, na natureza, em todo o espaço que nos circunda, ela está em todo o universo. E, uma das maiores fontes de Prana que temos em nosso planeta é a atmosfera, o Prana está no ar que respiramos.

Nossa atmosfera, e o ar que respiramos, é composta quimicamente por 78% de Nitrogênio, 21% de Oxigênio, 01% de Gás Carbônico e o restante por Gases Nobres e, energeticamente falando, nossa atmosfera é composta de 100% de Prana.

Assim sendo, realizar exercícios respiratórios conscientes é a melhor forma de absorver e controlar o Prana em nosso corpo, em outras palavras, a respiração nos preenche de energia vital e quando associada a nossa consciência, conseguimos administrar, gerenciar, manejar, direcionar e adquirir poder sobre nós mesmos. Poder de controle de nossas emoções, nossos pensamentos, nossa energia, nossa saúde, controle de nossa ações, de nossa Vida.

 

Pranayamas e a qualidade de vida

É por essa associação direta entre exercícios respiratórios conscientes e o controle de nossa energia vital que muitos acreditam que Pranayamas são simples exercícios respiratórios. Mas, como vimos, Pranayama é muito mais que isso, Pranayamas são exercícios que nos ajudam a captar o Prana de maneira correta e consciente, e que equilibram e purificam os caminhos energéticos, para que a nossa fisiologia possa realmente assimilar esse imenso poder do universo.

Absorver e equilibrar o Prana por meio dos Pranayamas é essencial para ter qualidade de vida. Aprenda alguns Pranayamas específicos em minha aula online, para saber como participar acesse o link: Pranayamas – a arte da respiração.

Os Pranayamas são muito benéficos, eles são bons para quem tem problemas pulmonares, eles estimulam a circulação e o fluxo da energia vital no sistema nervoso, estimulam o “fogo digestivo” melhorando a capacidade de absorção e eliminação, equilibram o sistema imunológico, acalmam a mente, equilibram as emoções e promovem a clareza mental, entre outros benefícios.

 

Como realizar uma respiração profunda e consciente

Se você quer praticar alguns Pranayamas, sugiro que comece sua prática por realizar uma respiração profunda e consciente e, para tal, segue abaixo uma instrução básica e fundamental, pois uma respiração profunda e consciente que os Yogues chamam de Respiração Completa é composta de 3 fases: A fase baixa ou abdominal, a fase média ou diafragmática e a fase superior ou sub-clavicular.

 

A respiração baixa – abdominal 

Para realizá-la, coloque uma mão sobre o abdômen e a outra sobre o centro do peito. Observe a sua respiração natural e aos poucos, perceba e faça com que o seu abdômen expanda, cresça na inspiração e se recolha, para baixo, diminua o volume na expiração.

Procure realizar essa respiração de forma natural e sem grande esforço e veja que aos poucos a respiração fica mais fácil, espontânea e relaxante. 

 

A respiração média – diafragmática 

Deixe de fazer a respiração anterior, abdominal, e comece a inspirar através de uma suave expansão da caixa torácica, verá que as costelas expandem para os lados, você pode colocar as suas mãos uma em cada lado da sua caixa torácica (na altura das últimas costelas, final da caixa torácica). Perceba o movimento das costelas expandindo ao inspirar e recolhendo ao expirar. Respire com consciência pelas costelas e sem utilizar o abdômen. Perceba a respiração fluir e mantenha-se consciente de todo o corpo.

 

A respiração alta – sub-clavicular 

Deixe de fazer a respiração anterior e traga sua atenção para a parte superior da sua caixa torácica, inspire e promova a expansão da parte superior do peito, percebendo as clavículas se moverem sutilmente para cima (em direção à cabeça). Evite qualquer tensão no pescoço ou nos ombros, ao expirar, sinta as clavículas se moverem para baixo e depois perceba a caixa torácica completamente relaxada. Desfaça qualquer esforço durante a execução.

 

A Respiração Completa, unindo as 03 fases  

Mantenha o corpo estável e ao mesmo tempo relaxado. Inspire suave e profundamente e sinta o abdômen expandir lentamente, em seguida, ao final da expansão do abdômen, sinta as costelas expandirem para os lados suavemente e sem esforço, logo em seguida sinta a elevação sutil das clavículas e da parte superior do peito. Depois da inspiração, faça expiração começar de cima, retornando as clavículas à posição anterior, depois relaxe toda a caixa torácica sentindo as costelas retornando à posição natural e, por último, recolha o abdômen.

O movimento deve ser executado de modo contínuo, em um único fluxo, pois as 03 fases da respiração são unificadas em uma única respiração. A respiração deve fluir sempre livre de tensões e esforço demasiado. Com a prática, aos poucos, a respiração completa fica mais fácil, natural e fluida.

 

Uma vez tendo dominado a respiração completa, você terá as ferramentas iniciais para realizar os Pranayamas de maneira consciente e controlada.

A prática da respiração completa não é um Pranayama em si, mas já traz diversos benefícios para o corpo e a mente. Saiba mais em: Benefícios da Respiração Profunda.

Boa prática!