A cura e os novos paradigmas para tratamentos bem sucedidos. Como conquistar a saúde integral?

Por: Marcos Simões
cura-novo-paradigma.jpg

Quando você pensa em cura, o que vem à sua mente?
Atualmente, percebo que é muito comum pensar em cura com o foco na doença, nos desequilíbrios e nas desarmonias, colocando-se atenção máxima naquilo que necessita de tratamento.
 
O novo paradigma
Para mim, o novo paradigma pede para que, ao se pensar em cura, o foco esteja na saúde, no equilíbrio e na harmonia.
Isto significa que, ao olharmos para alguém que necessite de cura, com o intuito de ajuda-lo, devemos fazê-lo com discernimento: ouvindo, sim, as suas queixas, porém buscando as suas qualidades, as suas virtudes, estimulando-o a ver e a reconhecer o que está saudável e em equilíbrio na sua vida.
Pois a vida é composta de ambos, equilíbrios e desequilíbrios.
 
O que acontece quando você muda o foco de atenção?
Ao buscarmos os equilíbrios, o que está em desequilíbrio aflora, mas o foco está em seu oposto e o mesmo não tem “alimento”, não tem “ponto de referencia”.
Então, o desequilíbrio fica “desnutrido”, “desorientado”.
E neste processo, o desequilíbrio descobre o seu oposto e se transforma.
Pois assim é a energia: “Nada se perde, nada se cria, tudo se transforma“.
É apenas uma questão de foco!
 
Marcos Simões
 
Para compartilhar:
Use os botões “curtir” e “enviar por e-mail”, acima do post.
Compartilhe também os créditos e links.
 
Todos os níveis do Reiki no Anima Mundhy
Reiki Tradicional, níveis I, II e II
Reiki Japonês
Reiki Mestrado
Consulte agenda

 
COMENTÁRIOS

2 comentários em “A cura e os novos paradigmas para tratamentos bem sucedidos. Como conquistar a saúde integral?”

  1. Sou reikiana, pela A.B.R., há mais de 20 anos. Há mais de 10 anos, sou Nível 3A de Reiki Trabalho com esta terapia alternativa e outras do tipo, Magnified Healing. Para mim cura quer dizer mudança de padrão de pensamento, para, ao mesmo tempo, haver uma transformação. Somos 100% responsáveis por tudo o que nos acontece. Adorei o site, pois, na minha opinião, “há muito”, além daquilo que a maioria das pessoas não conseguem ver (porque não conhecem), que poderia transformá-las. Além do que, temos muito que aprender, ainda!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *